Grandes ídolos do esporte - Maria Esther | Medalha de Bronze dourado

Grandes ídolos do esporte - Maria Esther

Medalha de Bronze dourado Bronze dourado


R$440,00
Disponível

Atenção! Entregas a partir de julho de 2021.

No dia 11 de outubro de 1939, em São Paulo, nasceu a tenista Maria Esther Andion Bueno. Seus primeiros passos no tênis, aos 6 anos de idade, foram ao lado do irmão Pedro, que era dois anos mais velho. Ainda crianças, frequentavam as quadras do hoje extinto, porém tradicional, Clube de Regatas Tietê. Apesar de gostar muito do tênis, nessa época, Maria Esther também praticava natação, ainda que, o sonho de seu pai, Pedro Augusto, fosse vê-la um dia como bailarina.
 
Aos 11 anos, a menina consolidou sua paixão participando do seu primeiro campeonato. Foram sucessivos títulos conquistados no Brasil, até que Maria viajou sozinha, aos 17 anos, para disputar o torneio juvenil Orange Bowl International Tennis Championships na Flórida. A sua vitória na categoria Feminino Sub-18/simples a incentivou a disputar o Circuito do Caribe, no qual venceu 14 dos 15 títulos. Nessa época, a jovem atraiu a atenção de especialistas, que sugeriram sua ida para a Europa. No Velho Continente, venceu o Campeonato Italiano na sua estreia, em seguida, outros diversos torneios europeus. Aos 19 anos, alcançou o maior título na competição mais importante do mundo na categoria simples: Wimbledon. Lá, reinou em 1959, 60 e 64, e, em dupla: 1958, 60, 63, 65 e 66. Ao todo, são 589 títulos conquistados em sua notável carreira. Ela entrou no Guinness Book depois de ganhar uma partida em apenas 19 minutos em 1964.
 
Para sua tristeza, nunca participou de Olimpíadas, pois o tênis não era olímpico na sua época. No entanto, é a única brasileira no Hall da Fama do Tênis. Como num En Dehors do balé, para orgulho de seu pai, Maria Esther Bueno flutuou, imprimiu elegância, graça e leveza. Talentosamente, harmonizou esses movimentos ao backhand de uma mão em meio a um jogo de rede agressivo, e assim, triunfou. Fez do tênis seu balé singular. Lamentavelmente, ela nos deixou em 8 de junho de 2018. A Bailarina do Tênis será infindavelmente a nossa Tenista Número 1.

Arnaldo José da Silva Xavier

Especialista em Leitura e Produção Textual/UFF & Técnico Operacional/Casa da Moeda do Brasil

Anverso

Em primeiro plano está a representação gráfi­ca de uma medalha de premiação e o título da emissão com a palavra “ÍDOLOS” destacada pela aplicação de textura. Na fi­ta da medalha estão inscritas a era 2021 e a marca da CMB.

Reverso

Em primeiro plano, à esquerda, está o portrait da homenageada em tampografia. Acima, a representação gráfica da medalha com a fita faz o link com o anverso e, abaixo dela, estão os nomes da homenageada e da modalidade esportiva que a consagrou. À direita, há silhuetas de Maria Esther Bueno nas poses características que lhe renderam a alcunha de “A Bailarina do Tênis”, e, ao centro, a legenda referente às suas conquistas.

Criação: Millie Britto

Modelagem: Érika Takeyama e Luiz Henrique Peixoto

Tiragem: 100(prata), 100(bronze), 50(bronze dourado) e 200(cuproníquel).


Ref: 803805
Tipo do produto: Medalha
Material: Bronze dourado
Edital: 4/2021
Peso: 27g
Diâmetro: 40mm